Antropologia Cultural - Prof. Brito

Principal
=> Programa de Antropologia
=> 1. Antropologia cultural: contribuições para debate
=> 2. Teorias da Antropologia
=> Felicidade
=> A vida
Contacto
Libro de visitantes
Antropologia Cultural
 
 
Teorias e Tendências da Antropologia*
                                                                                                                         Prof. Brito**
 
 

Principais Correntes Teóricas da Antropologia
 
Teoria Evolucionista
 
Principais representantes:
Edward B. Tylor (1832-1917), Lewis H. Morgan (1818-1881) e James Frazer (1854-1941).
 
Alguns postulados e comentários:
Por volta de 1830 alguns postulados e comentários sobre o evolucionismo antropológico: surgiram na Europa. Eram algumas teorias, desvinculadas de condicionamentos míticos ou religiosos, que tentavam explicar semelhanças e diferenças entre fenômenos socioculturais. O fio condutor foi o conceito de evolução cuja idéia central era de que seria possível ordenar em série as formas de vida natural de tal modo que se infere intuitivamente ou passar de uma forma de vida a outra. Podemos dizer que foi a partir deste ponto que a antropologia científica deu seus passos iniciais, começando com o evolucionismo, portanto, a primeira das escolas antropológicas.
Alguns traços importantes desta corrente foram:
1. Naturalismo anticriacionista; 2. Progresso indefinido; 3. Seleção natural; 4. A linha de evolução parte do simples e chega ao complexo; do homogêneo ao heterogêneo.
5. Utiliza o método comparativo
Assim, para Morgan, a cultura humana é o produto de uma evolução natural, sujeita à leis que regem as faculdades mentais do animal humano em seu estado social. De esta forma, a evolução da cultura poderia ser objeto de estudo científico e tal foi seu objetivo. A metodologia de trabalho na classificação e comparação de achados antropológicos. Com efeito, foi um pioneiro na realização de trabalhos quantitativos de campo na etnologia.
Morgan centrou seu interesse na evolução social da família, desde os casais circunstanciais até a monogamia, considerada própria da civilização. Morgan estabelecia três etapas sucessivas e graduais:
1. Selvagismo: que por sua vez se dividia em inferior-médio (identificado pela pesca e o domínio do fogo) e superior (com domínio de armas como o arco e a flecha).
2. Barbárie: no nível inferior somente com o domínio da cerâmica e a domesticação; no nível médio com a conquista da agricultura e o ferro no nível superior.
3. Civilização: etapa correspondente aos povos que desenvolveram o alfabeto fonético e que possuíam registros literários.
Assim, Taylor defendia que existiam diferentes tipos de famílias que evoluíam até chegar à família patriarcal em suas formas poligâmica e monogâmica.
 
 
Escola americana
 
Principal representante da escola americana: Franz Boas (1858-1881).
 
Alguns postulados e comentários sobre a escola americana:
Franz Boas marcou linhas básicas de orientação que anteciparam o funcionalismo. A idéia central era considerar a cultura como uma totalidade, um conjunto de elementos integrados. A metodologia buscava provas concretas do contato cultural e a comparação de traços que existem contextualmente. Por outro lado, enfatizava evitar a limitação de apenas semelhanças para buscar também as diferenças.
Boas “emprestou” de Wissler, a noção de área cultural, conceito que descreve um núcleo de influência, isto é uma zona ampla de onde se observa como um traço cultural deixa seu rastro em diferentes culturas, incorporando assim elementos psicológicos universais da cultura.
 
 
Difusionismo
 
Principais representantes: Graebner (1877-1942), Smith (1864-1922), Rivers (1864-1922).
 
Alguns postulados e comentários:
O difusionismo é conceitualmente uma reação às idéias evolucionistas de unilateralidade, isto é, ao evolucionismo universal de acordo as leis determinadas. Assim, os estudos desta escola se concentraram nas semelhanças de objetos pertencentes a diferentes culturas, bem como especulações sobre a difusão destes objetos entre culturas. Assim, um objeto foi inventado uma só vez em uma sociedade en particular e a partir dali se expandia através de diferentes povos.
Ao contrário do evolucionismo que postula um desenvolvimento paralelo entre civilizações, o difusionismo enfatiza o contato cultural e o intercâmbio, de tal maneira que o progresso cultural mesmo é compreendido como uma conseqüência do intercâmbio.
Desta forma, ao se produzir um contato entre duas culturas, se estabelece um intercâmbio de traços associados que foram tomados na qualidade de “empréstimo”, mas que passam a formar parte da cultura.
Conceito de empréstimo cultural: É a transposição de elementos culturais através de um processo seletivo em que os traços que mais se adaptam à cultura são assimilados de tal modo que se transformam, incluindo em sua função.
São considerados aportes do difusionismo a importância outorgada à inter-relação entre os fenômenos culturais, a notável acumulação de informação etnográfica e a insistência nos trabalhos de campo (pesquisas de campo).
 
 
Escola sociológica francesa
 
Principais representantes da escola francesa: Émile Durkheim (1858-1917), Marcel Mauss (1852-1950), Levy-Brhul (1857-1939), Ch. A. van Gennep (1873-1957).
 
Alguns postulados e comentários:
Durkheim, fundador da escola sociológica francesa, assinalou de forma precisa a interdependência de todos os fenômenos sociais, qualquer fato seria estudado tendo em conta os demais através de uma visão totalizante. Com efeito, esta linha é um claro precedente do funcionalismo.
Marcel Mauss por sua vez, defendeu que nenhuma disciplina humana poderia construir conceitos ou classificações para interpretar-los isoladamente, a conseqüência direta desta idéia seria a rejeição ao método comparativo.
 
 
Funcionalismo
 
Principais representantes: Bronislaw Malinowski (1884-1943), Radcliffe-Brown (1881-1955).
 
Alguns postulados e comentários:
Malinowski defendia que as instituições desempenham funções específicas e, assim, contribuem para sustentar a ordem social.
O funcionalismo enfatizava a interconexão orgânica de todas as partes de uma cultura pondo em primeiro plano a idéia de totalidade. Desta maneira, postulava uma universidade funcional que se opõe ao difusionismo.
Análise funcional é uma explicação de fatos antropológicos em todos os níveis de desenvolvimento de acordo com o papel que jogam dentro do sistema total da cultura, de modo que estão inter-relacionados com o interior do sistema e pela forma que o sistema se vincula ao meio físico. O conceito de função, de acordo com Malinowski se refere ao papel que joga um aspecto em relação ao resto da cultura e em última instância, orientado sempre a satisfação das necessidades humanas, isto é, a sobrevivência.
Será um passo adiante na linha de trabalho de Radcliffe-Brown, que encampou o conceito de estrutura social. Com efeito, para este autor não há função sem estrutura. Por estrutura se entende uma série de relações unificadas, na qual a continuidade se conservaria a través de um processo vital composto pelas atividades das unidades constitutivas.
Sabe-se que existem requisitos prévios o uma série de condições necessárias para a sobrevivência de uma sociedade ou a manutenção de uma estrutura. Assim, de acordo com a teoria funcionalista, certas formas culturais ou sociais são indispensáveis para que algumas funções possam desempenhar-se.
As conseqüências do modelo teórico formulado pelos teóricos do funcionalismo se manifestam na prioridade outorgada a análise sincrônica e a-histórica, a noção integrada da sociedade com certa tendência a conceber-la como um complexo sistema fechado, bem como o abandono àquilo que as correntes teóricas anteriores consideravam como a origem da cultura.
 
 
Estruturalismo Antropológico
 
Principais representantes: Levi-Strauss, Needham, Douglas, Turner e Dumont.
 
Alguns postulados e comentários:
O estruturalismo busca superar algumas deficiências observadas em outras teorias e tem a pretensão de alcançar uma explicação da lógica das organizações sociais em sua dimensão sincrônica, sem deixar de lado a dimensão diacrônica. A metodologia do estruturalismo se deve particularmente à lingüística, e desenvolve a noção de estrutura.
O aporte teórico de Levi-Strauss enfatiza a estrutura mental que subjaz as instituições.
Nesta linha de pensamento, os fatos sociais poderiam se compreendidos como processos de comunicação definidos por regras, algumas delas conscientes (ainda que apenas superficialmente já que podem estar ocultando aspectos da realidade) e outras em nível profundo do inconsciente. A análise estrutural não é uma esquematização superficial, mas a compreensão profunda da realidade objetiva e supõe compreender a atividade inconsciente, observando cada instituição ou cada fenômeno social em suas diferentes manifestações para descobrir as regras ocultas. Nesta linha interpretativa, uma estrutura se basta em si mesma e não necessita nada mais para ser captada.
As críticas mais freqüentes ao estruturalismo antropológico se concentram no uso seletivo das fontes etnográficas secundárias e que na maioria das vezes a teoria é forçada e não se ajusta à realidade empírica.
 
 
Dinamismo Antropológico
 
Principais representantes: Gluckman e Leach.
 
Alguns postulados e comentários:
 
 
Tanto o funcionalismo quanto o estruturalismo são teorias que representam visões estáticas da sociedade e consideram que se algo é necessário para que funcione ou é básico em sua estrutura institucional ou mental, esse algo deve ser bastante estável, ou a sociedade em questão não existiria. Entre as críticas mais freqüentes a estas concepções, considera-se que a mudança é uma evidência, sendo que marginalizar sua influência supõe uma análise limitada da realidade. A partir dos anos de 1950 surgiram estudos que tentaram analisar as mudanças e suas conseqüências.
O dinamismo é, pois, um fenômeno interno de toda sociedade, além de ser um elemento fundamental em sua coesão. Nesta linha de pensamento, Gluckman desenvolveu a noção de “conflito” para descrever as tensões no seio de uma sociedade. Leach, defendeu a noção de “ciclos” para descrever os desenvolvimentos periódicos e de mudanças.
 
 
Neoevolucionismo Antropológico
 
Principais representantes: White, Steward e Childe.
 
Alguns postulados e comentários:
A diferença do evolucionismo do século XIX, que tomava como princípio central o desenvolvimento progressivo e a mudança no sentido unilinear que se tornava complexa e se aperfeiçoava através do tempo, o neoevolucionismo da metade do século XX tentava explicar o desenvolvimento da cultura em função da energia disponível pelo individuo, isto é, considerando a evolução com o aumento progressivo das técnicas para sua obtenção.
 
 
Ecologismo Cultural
 
Principais representantes: Fried, Harris e Sahlins.
 
Alguns postulados e comentários:
Ainda dentro do marco do neoevolucionismo, Steward assinala a importância das relações entre o meio e a sociedade, especialmente as condições em que se desenvolve a produção. Esta vertente dará lugar à corrente do ecologismo cultural.
 
 
Estruturalismo Marxista
 
Principal representante: Godelier.
 
Alguns postulados e comentários:
Na década de 1960, o estruturalismo marxista tentará explicar o pensamento selvagem a partir da dialética e da luta pelos meios de produção, destacando a importância da infra-estrutura econômica para a compreensão das superestruturas sociais, materiais e simbólicas. Assim, os tópicos mais freqüentes dos trabalhos de Godelier foram a economia, o fetichismo e a religião.
 
 
Neodifusionismo
 
Principal representante: Wallesrtein.
 
Alguns postulados e comentários:
Na década de 1970, Wallesrtein se tornou representante de uma reação contra o neoevolucionismo. O ponto central do neodifusionismo é o de considerar a história escrita como fonte indispensável para os estudos antropológicos e também a ponderação das enormes e extensas repercussões de fatos econômicos em sociedades remotas. A idéia de Wallesrtein era ressaltar que a interdependência entre economia e sociedade surge do fato que são as mesmas pessoas que atuam nas diferentes esferas, isto é, no âmbito familiar ou nos aspectos político, religioso e econômico.
 

 
 

* Este texto-quadro foi elaborado para uso na disciplina de Antropologia Cultural (Curso de Administração - FASAM). Em caso de citação total ou parcial deste texto, use a seguinte referência: BRITO, W. A.Teorias e tendências da antropologia. In: Antropologia cultural - cursos de administração. Goiânia: FASAM, 2008.
**Wanderley Azevedo de Brito (britoaw@yahoo.com.br): Doutorando e Mestre em Educação, Especialista em Relações Internacionais e Graduado em História. Professor Adjunto de Antropologia Cultural na Faculdade Sul Americana. Assessor para Assuntos Institucionais na Universidade Estadual de Goiás – UEG. Pesquisador na Comissão da Assessoria de Avaliação Institucional da UEG. Pesquisador Voluntário nos Programas de Doutorado e Mestrado em Educação da Universidade Católica de Goiás. Vice-Presidente da ONG Ambiental Quatro Elementos. Consultor para Assuntos Institucionais e Antropologia Cultural nas Organizações.

F A S A M

O Livro Eletrônico Interativo de Antropologia Cultural (LEIA) é um canal de comunicação instantânea entre o professor de Antropologia Cultural (Brito) e os acadêmicos dos Cursos de Administração da Faculdade Sul Americana - FASAM - Goiânia - Goiás - Brasil.

=> ¿Desea una página web gratis? Pues, haz clic aquí! <=
Todos os direitos reservados a britoaw@Copyright. Os textos copiados deste site devem respeitar os direitos autorais.